O quanto sua empresa é capaz de absorver e reter talentos? O que ela define por talentos? Quais são os departamentos envolvidos e quais dados são usados como subsidio para a tomada dessa decisão? Como funcionam as políticas salariais e quem define o que é produtivo? Como os resultados das metas são contabilizados e, melhor, são contabilizados? São monitorados?

Antes de definir qualquer política salarial, políticas e processos de atração e retenção de talentos – tanto externa quanto interna – muita coisa deve ser analisada e, na grande maioria dos casos, ser feita ou refeita – sim retrabalho para se evitar o erro no futuro.

Um caso essa semana na organização que trabalho me motivou a levantar tais questões. Alias, essas questões acabaram por se tornar rotineiras, afinal, quando você passa 8h por dia em um lugar e se esforça para ser produtivo, o surgimento de questões de planejamento, estratégia e análise é comum.

Quando você se dá conta que a distribuição de funções não está correta e diversas pontas da cadeia são sobrecarregas gerando, em muitos casos, retrabalhos ou baixa produtividade do produto/serviço final – inclui-se ai a qualidade – algo deve ser feito antes de definir o próximo passo. Dois passos para trás para dar um para frente é uma lógica simples, mas que parece pouco aplicada quando a gestão da empresa está rodeada de colaboradores que possuem uma grande miopia administrativa – seja por falta informação e/ou formação, seja por, como costumo chamar, incompetência forçada pelo egoísmo e status de função. A capacidade está lá, mas o egoísmo gerado pelo poder que existe dentro do organograma organizacional torna as tomadas de decisão incoerentes com o ambiente do mundo real. Os erros são camuflados e os ganhos ficam apenas com alguns – a curto e médio prazo, já que no final a organização como um todo perde seu sentido e chega ao trágico cenário: déficit, perda de clientes e fim total.

Antes de definir a produtividade do seu colaborador, defina quais são os indicadores de produtividade que serão utilizados na análise, quais os atores envolvidos. Se isso NÃO existe, não existe definição do que é ser produtivo, bem como não existe a cobrança desse quesito. Se tiver menos que isso está na hora de repensar a forma de gerir sua empresa. Está na hora de pensar se sua missão, visão e valores estão sendo seguidas e se o plano de ação do planejamento estratégico está sendo monitorado e revisado toda semana.

Planejamento o que? Ok está na hora de você voltar para sala de aula.